+1

Como desenvolver no Brasil e vender lá fora

criado por João Prado Maia em 16/03/2004 7:45pm
O advento da globalização muitas vezes corre contra o Brasil, quando países pressionam pela abertura de nosso mercado e os nossos produtos encontram uma enorme competição nos mercados externos, por exemplo.

Na internet, no entanto, o mercado é realmente aberto. Mas poucos empreendedores brasileiros estão atentos para a possibilidade de exportar software.

Por que os desenvolvedores brasileiros não têm interesse ou pelo menos a curiosidade de tentar vender software para um mercado internacional? Obviamente não existe muita discriminação sobre de onde vêm as aplicações para a web, desde que sejam de qualidade. Por que então não vemos mais empresas virtuais brasileiras abrindo as portas para vendas online?

Como um exemplo do tipo de empresa a que me refiro posso citar duas, que fazem a maioria dos seus negócios pela web, senão todos:

- Fog Creek Software (http://www.fogcreek.com)
- Atlassian (http://www.atlassian.com)

Elas são razoavelmente conhecidas no mundo de weblogs porque seus donos são bloggers e discutem vários assuntos relacionados à desenvolvimento de software.

A Fog Creek foi fundada pelo Joel Spolsky, que escreve freqüentemente sobre desenvolvimento comercial e administração de projetos. A Atlassian foi fundada por Mike Cannon-Brookes, conhecido no mundo Java pelo trabalho em vários frameworks, entre eles OpenSymphony e o java.blogs.

Eles conseguem sucesso nesse mercado através da venda de licenças para aplicações web com ferramentas para equipes de programadores. Um conceito simples como bug tracking aparentemente tem demanda suficiente para manter essas duas empresas (e tantas outras) no mercado. O ponto importante nesses dois exemplos é que o mercado nicho para ferramentas de bug tracking já estava mais ou menos saturado, com várias empresas vendendo produtos especificamente para times de desenvolvedores.

A diferença aqui, mesmo não sendo óbvia, é que os produtos têm qualidade e por isso uma base de clientes sustenta as necessidades destas empresas.

Como o próprio Joel Spolsky diz muitas vezes, pequenas empresas não devem lutar por novos clientes abaixando demais os preços dos seus produtos. Uma guerra de preços só ajuda as empresas grandes, que possuem recursos disponíveis para bancar isso.

A pergunta agora é para o desenvolvedor brasileiro: – o que você está esperando para entrar nesse tipo de mercado? Tudo o que necessita é seguir a seguinte lista:

– Escolha um mercado nicho onde você tenha competência no assunto; criar uma empresa num mercado totalmente desconhecido para você não vai dar certo

– Pesquise um nicho de mercado interessante, onde os competidores atuais não fornecem produtos de boa qualidade

– Desenvolva o seu software com um foco no seu usuário. O que ele precisa para trabalhar mais eficientemente? O que falta nos produtos existentes no mercado que poderia fazer com que o seu produto se destacasse?

– Crie um web site profissional para a sua empresa em inglês e faça o seu foco principal o mercado internacional

– Quando estiver desenvolvendo a sua aplicação, pense em meios de abstrair para que funcione corretamente em várias línguas. Ou seja, pense em possíveis traduções da sua aplicação desde o início

– Entre em contato com o seu banco para conseguir processar cartões de crédito pela web. Lembre-se, clientes internacionais não podem usar boletos bancários ;)

Falo com experiência. Há um ano e meio vinha desenvolvendo nas horas depois do meu emprego normal uma ferramenta similar para lançar no mercado. Quando comecei a me preparar para vender licenças, um cliente interessado propôs adquirir os direitos autorais dessa aplicação e me empregar para trabalhar em tempo integral nessa ferramenta para eles. Não é realmente um exemplo de uma empresa, mas acho que vale assim mesmo.

Será que brasileiros não têm a creatividade para inovar nesse mercado e criar um produto de sucesso? Que idéias você têm para um produto que daria certo num mercado corporativo americano ou internacional?

--
Escrevi essa matéria e publiquei a mesma originalmente no Webinsider (http://webinsider.uol.com.br/vernoticia.php?id=2068)

Comentários:

Mostrando 1 - 10 de 27 comentários
Diego CB disse:
O artigo é interessante, e mto válido. Creio que a web é realmente essencial para quem quer vender seu peixe lá fora, isso é possível, etc.

Isso torna-se viável tmb porque o negócio será em dólares, algo mais lucrativo para nós. Além disso, nossos preços tornam-se nanicos perto do patamar de empresas em países de primeiro mundo.

Porém, diversos fatores nos prejudicam. Eu, por exemplo, gostaria mto de desenvolver algo para a web que pudesse me trazer retorno financeiro.

Mas quem é que consegue vender sem ter grana (grana de verdade) para investir em sua idéia? Quem irá comprar de um total desconhecido que não possue o mínimo de capital de giro para divulgação de seu produto?

Meu salário atual me dá condições de pagar a faculdade e cobrir despesas gerais em casa. Se eu for juntando o q sobra, talvez consiga abrir um armazém em 2030. :)

E o pior: hoje sei que sou um programador. Não sei vender, não tenho saco para o financeiro, não falo inglês fluentemente, não teria tempo para me virar em cinco. Certamente precisaria de uma equipe (mais dinheiro).

Sei que, no fundo, você está com razão em seu artigo. Mas pense q nem todos nós somos iguais. Alguns tem mais, outros tem menos tempo para desenvolver algo para si mesmo.

Vivemos em um país com renda tão baixa que o aluguel de qualquer muquifo na periferia consome boa parte do salário. Compare o valor dos bens duráveis e a mixaria salarial que a maioria de nós recebe. E para completar: como fazer compras parceladas se a estabilidade do emprego é quase inexistente?

O pior é que não estou "chorando as pitangas". Perto de muitos amigos meu salário é razoávelmente bom, mas perto do pró-labore daqueles que detém os meios de produção...

Creio que falta maior incentivo do governo para os exportadores. Incentivo é financiar quem NÃO tem dinheiro, não é ficar isentando os magnatas de pagar imposto, não é dar incentivo para empresas estrangeiras, não é tapar rombos bilhonários de banqueiros. Chega de emprestar dinheiro para quem já tem.

Também acho que deve-se buscar melhores condições para os profissionais de informática (inclui-se Internet). É um setor onde o profissionalismo ainda é particular de cada empregador. Não existe um "teto salarial" ou um sindicato para a classe, e se existe ninguém me convidou(estou nessa área há 6 anos, desde os 15 anos de idade)!

Se todos os profissionais de informática do Brasil fizessem greve, debatessem idéias e necessidades, exigissem legislação apropriada acho que as coisas iriam melhorar. Afinal, sem informática seria o caos! :)

Concluindo, acho que o artigo é muito válido e verdadeiro. Mas falta mta coisa para esse tipo de negócio melhorar. Não estou sendo pessimista, mas já é hora dos trabalhadores analisarem essa vida de "pão e circo" que a gente é obrigado a levar e exigir mais dos detentores de poder que não permitem que a idéia seja algo maior do que o capital.

Falowae!
26/03/2004 9:38am (~12 anos atrás)

Não sei exatamente como começar, mas vamos lá...
Se o artigo é vago ou não, depende de quem está lendo.
Isso que acabei de escrever é um tanto óbvio e por isso vago, mas vocês devem concordar que quem já está no mercado de trabalho, já conhece muita coisa sobre o que foi dito no artigo, com toda certeza vai achar vago, pois eles querem algo mais do que aquilo que já sabem. Agora, pra quem está começando, este artigo é uma excelente partida. Melhorando, não é somente pra quem está começando, mas também para aqueles que nunca pensaram na hipótese de ter seus produtos vendidos internacionalmente.
Resumindo, parabenizo o João pela iniciativa (e não é passar a mão na cabeça do dono da bola) pois a grande maioria da comunidade PHPBrasil é sim iniciante e não tem esse conhecimento todo a respeito de mercados internacionais.
Gostei também da opinião do Poorlyte e do Silvio.
IMHO, este tipo de discussão é muito válido, pois não vejo como crescer se tudo que for dito for aceito e não discutido, pois cada um tem suas idéias e devemos compartilhar.
Achei bacana a atitude do Marcelo em dar a opinião dele, porém, foi infeliz quando resolveu tomar as dores de uma maneira um tanto infantil e ainda falou mal dos seus companheiros de comunidade. Nada pessoal Marcelo, admiro seu empenho para com a comunidade, mas essa foi uma falha que, sinceramente, eu espero que não se repita.

Mas deixando esse papo de lado...

O Jayr mandou muito bem nesse complemento :)

Eu, particularmente, sou sustentado pelo que sei de PHP.
Trabalho com isso já tem algum tempo e foi assim que consegui vir pra cá, nos Estados Unidos.
Eu trabalhava em uma empresa aí no Brasil que resolveu investir no mercado internacional.
Resumindo, eu desenvolvi um sistema para uma empresa norte americana (onde trabalho hoje) através da empresa aí do brasil e justamente por eu ter desenvolvido todo o sistema, fui chamado para trabalhar aqui. Porém, meu contato com a outra empresa não encerrou. Existe um sistema aí no Brasil desenvolvido por mim, mas aqui não encontrei algo similar. Então estou estudando a possibilidade de traduzir o sistema e adaptá-lo ao mercado americano.

Toda semana eu dou uma olhada nos sites de jobs, entre eles, um citado pelo Jayr: monster.com
SEMPRE tem anúncios para programadores PHP.

Mas uma coisa dita pelo Marcos é real. A grande dificuldade dos iniciantes é não saber inglês... sem pelo menos este idioma, complica :)

Desculpem o tamanho do 'comentário' que deu quase um artigo, mas faz tempo que eu não apareço por aqui e achei que fosse uma boa hora pra voltar.

Perdão se fui infeliz em algum ponto, mas deixem me saber para eu ver se realmente é isso mesmo. :)

[z]

Silvano
23/03/2004 10:43pm (~12 anos atrás)

Também acho que a discussão acabou e vamos para produtividade. Perguntatram de cases nacionais, bom, não conheço muitos brasileiros mas aquí vão alguns exemplos que conheço.

Não vou divulgar nomes pois não posso mas, uma grande empresa de software de treinamentos escolares americana comprou o "direito de uso" de um software de administração de lições via Web de um Brasileiro por Us$130.000,00.
O processo foi complexo mas, serve como exemplo do que fazer com seu produto. Aos que perguntam porque não dizer nomes, simples. Existem restrições contratuais neste tipo de negociação. A empresa compradora não quer que apareçam o preço e o criador de certas ferramentas. Elas preferem dizer que "foi feito com staff interno e a custa de muito suor e tecnologia".

Vejam bem, Esse software foi originalmente desenvolvido para gestão de um colégio no brasil e foi orçado em R$ 100.000,00 (em reais mesmo). O cara viu a oportunidade, partiu atraz e descobriu uma figura comercial que é chamada "agenciador internacional". Esse cara (o agenciador), é uma pessoa ou empresa (existem alguns por ai) que pegam o seu produto e vão para o exterior a procura de oportunidades de comercialização. Eles tem o conhecimento do mercado e de potenciais compradores. O Preço??? geralmente eles pegam uma participação no preço de venda. Eles vão te pedir algum respaldo comercial que é:

- O sistema tem de estar feito visando a lingua final (inglês no meu exemplo)
- Deverá haver um web site na mesma lingua para referência do comprador.
- Eles querem levar um demo (operacional) para demonstrações.
- Eles pedirão referências comerciais.

Essa é uma forma mas serve para GRANDES e CAROS produtos. Para produtos mais simples, vou dar uma dica que uso semanalmente. Existem alguns sites de empregos dentre os quais eu listo o MONSTER.COM e o LATINPRO.COM que oferecem posições internacionais para colocação profissional. Dentro das minhas pesquisas constantes por EMPREGO, acho oportunidades de criação de sistemas.

Uma vez desenvolvidos esses sistemas, a melhor forma de vende-los para outras empresas, é joga-las nas ferramentas de pesquisas, achar um agenciador que opere no segmento do software desenvolvido, ou rezar para que deus do ceu ajude.

Agora vem minha defesa do artigo. Eu disse e afirmo que o João esta certo pois esse conhecimento que descrivi (do agente, das empresas compradoras, ...) somente aparece se você TIVER o software pronto e traduzido, caso contrário, ninguém vai querr ouvir falar dele, principalmente o americano, que odeia outras linguas (principalmente as acentuadas). Prometo para breve, um artigo de como tornar seu software multilingual para TENTAR ajudar as pessoas com dificuldades em outras linguas.
22/03/2004 12:51pm (~12 anos atrás)

só uma dica jissa...

a Smarty Template Engine
tem uma forma de fazer a manutenção de uma forma bem fácil para multi-idiomas

bem legal..
se quiser dar uma olhada pesquise em:
http://smarty.php.net
21/03/2004 3:05pm (~12 anos atrás)

Jair Issa disse:
Eu particuarmente gostei, tenho um Sist. em ASP estou migrando para o PHP

Só que até entao voltado para o mercado interno, este Sistema pode muito bem se adequar ao mercado internacional, ja comessei a fazer umas pesquisas no nosso grande amigo Google para ver particularidades que posso colocar e ja estou criando variaveis para o Idioma.

Da forma que estou fazendo o idioma agora é o que pouco importa, estou fazendo um .php com todas as possibilidades, e conforme aparecem termos novos vou adicionando, todos em Portugues, depois de pronto, ai sim criarei um em Ingles, e ver se acho traducoes para os principais idiomas como Espanhol, Alemao, Frances, Italiano.

Tem um ponto que eu acho mais complicado é um local para divulgação do produto, se fazer conhecido, uma vz que nao se tem recursos para se fazer propagandas.
Uma cooperativa ou algo assim.

Ou usar os metodos de alguns, uma versao Free e uma paga do Sistema.
21/03/2004 12:12pm (~12 anos atrás)

bom,

falaram um monte de besteiras aqui.
e já chega.. e eu falei também [ponto]

O único comentário produtivo veio do Marcos que levantou um ponto legal, a falta de domínio dos idiomas chave é essencial pra' crescer como desenvolvedor

Sobre o comentário da estrelinha, se o João ou algum outro administrador do site quiser e puder retirar a "estrelinha" da minha conta de usuário sem problema nenhum, não tem utilidade nenhuma além de "premiar" os que realmente ajudam a comunidade.

Sobre a qualidade dos meus artigos é o que eu sempre falo e volto a repetir..

Silvio, não use este veículo de comunicação (comments) para fazer comentários sobre a qualidade dos meus artigos..eu sei que alguns dos quais publiquei não são realmente bons e sempre tento melhorar.

O que geralmente os usuários interessados em ler as matérias que escrevo fazem é me procurar no icq (91584614), email (marcelopfs@yahoo.com.br) e me falar "cara, gostei dos teus artigos, mas aquele artigo X poderia ter algo assim.. e aquele outro podia ter um exemplo assim"

Acho que quem ganha com isso é você, sou eu e todos que entram no site..

Agora chega de discussões por favor
você tem a sua opinião o Poorlyte a dele e eu a minha.

Ficar falando N vezes a mesma coisa não faz o menor sentido, já foi falado tudo sobre o que não devia.. coloquemos aqui agora cases nacionais por exemplo

abraços
19/03/2004 7:23pm (~12 anos atrás)

Poorlyte disse:
É verdade Marcos. Tem muita gente que não domina o inglês a ponto de poder fazer negociações pela internet.

A grande maioria dos programadores (não só de PHP) possuem facilidade apenas em ler documentações, com ajuda de dicionário ou tradutores. Talvez pq nem todos tem a oportunidade, ou tempo, para fazer um curso ou pagar por um professor particular.
19/03/2004 5:47pm (~12 anos atrás)

As palavras do Poorlyte expressam tudo que eu gostaria de dizer.
Estou me retirando deste debate por motivos óbvios: falta de equilíbrio e de mente aberta para ouvir críticas (não que seja o caso do João. Vocês sabem a quais pessoas me refiro).
Agradeço ao Poorlyte, pelo apoio e por manter-se firme à sua opinião, fundamentando-a com argumentos concretos.
Peço desculpas à comunidade se em algum momento feri a imagem de qualquer companheiro.

Um abraço a todos.

P.S.: Marcelo, a qualidade de alguns artigos seus que já li não condiz com o seu último comment neste artigo. Já li coisas bem melhores vindas de você.
19/03/2004 4:46pm (~12 anos atrás)

Bom, eu acho o seguinte, nesse Brasil a fora existem programadores bons e tudo mais mas o que falta é esses programadores dominarem o inglês, muitos como eu não dominam muito línguas estrangeiras, então fica difícil para muitos de dedicarem a um mercado difícil de se entender!

Abraços,
19/03/2004 4:42pm (~12 anos atrás)

Poorlyte disse:
É impressão minha ou vc simplesmente ficou irritado e perdeu as estribeiras?

Bom, como não tiro meu sustendo do PHP então não sou esse cabeçudo que vc exemplificou. É uma pena vc, que faz parte da comunidade PHP, fazer um comentário desse dos seus companheiros...

Humm... acho que quem não aceita crítica são os usuários com estrelinhas ao lado do nome.

Não vi um aviso, na hora de me cadastrar no site, que eu deveria colaborar com scripts, links, artigos pra poder opinar no site?? Se tem isso em algum lugar me avisa. ;-)

Se o x da questão fosse simplesmente o google então pq escrever artigos tentando explicar um determinado assunto? Deixem que os outros procurem então...
19/03/2004 8:08am (~12 anos atrás)

Novo Comentário:

(Você pode usar tags como <b>, <i> ou <code>. URLs serão convertidas para links automaticamente.)